Ultimas Notícias

Parceria SOLARIS x SINTESU Nota de Falecimento – Maria Aparecida Morozini DATA-BASE: A (DES)ENCANTADA SITUAÇÃO DAS DEMANDAS

Decisão foi tomada em assembleia, pelos servidores da Unicentro.
Na tarde desta quarta-feira (26), os servidores da Unicentro lotaram o auditório do Sindicato dos Trabalhadores (Sintesu), para uma nova assembleia a fim de decidir pelo início ou não da greve. Durante a assembleia foram propostas duas medidas: o início da greve e a manutenção do indicativo de greve. Mais de 80% dos presentes votaram pela manutenção do indicativo de greve, que já havia sido estabelecida na assembleia anterior, que ocorreu no início do mês.

O presidente do Sintesu, Danny Jessé Falkembach Nascimento explicou que o indicativo de greve está vinculado ao não pagamento da data-base. Ou seja, se houver a tramitação da Mensagem 43/2016 (que suspende o pagamento da data-base de janeiro) na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) o Sintesu inicia a greve.

“A suspensão da data-base é uma afronta ao que foi acordado em 2015, para por fim à greve daquele momento. Além disso, a data-base é uma forma, amparada em Lei, que os trabalhadores têm de correção das perdas ocasionadas pela inflação. Essa data-base deveria ter sido paga em maio, o que já está causando perdas aos servidores, mas aceitamos alterar a data para janeiro e agora querem suspender sem previsão de pagamento. Não podemos aceitar isso, mas deixamos claro que estamos dispostos a conversar, por meio do FES (Fórum das Entidades Sindicais – que reúne 22 sindicatos do Estado), e achar uma saída para que o governo execute essa reposição da inflação”, explicou.

 

Sindicatos participaram de reunião com o Governo.
Sindicatos participaram de reunião com o Governo.

Reuniões – O Sintesu, juntamente com os demais sindicatos que compõem o FES tem participado de várias reuniões com o Governo do Paraná e também com os deputados estaduais, buscando uma solução conjunta para o pagamento da data-base.

Na semana passada, o Sintesu participou de plenária do FES, onde foi avaliada a conjuntura econômica do Estado do Paraná, com informações repassadas pelo economista Cid Cordeiro, do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, em reunião com os sindicatos.
Chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, em reunião com os sindicatos.

Também na semana passada, na quarta-feira (19), o Sintesu participou da reunião com o secretário da Fazenda do Estado do Paraná, Mauro Ricardo Costa,e com o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, onde foram apresentadas as perspectivas econômicas para o fim do ano. Na oportunidade, Cid Cordeiro fez um contraponto aos dados do Governo, mostrando dados mais coerentes e menos pessimistas para a economia paranaense.

“Ao dialogarmos com o Governo de forma unida, mostramos força e, ao mesmo tempo, que estamos em sintonia. A participação no FES nos fortalece como servidores públicos, independente do sindicato a que fazemos parte, e o Governo já entendeu isso, tanto que ontem (26) realizou nova reunião com a coordenação do FES. Agora os sindicatos se reunirão novamente, na próxima semana, para avaliar o resultado da reunião de ontem”, concluiu Danny Jessé.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.