logo

Contato rápido


Seu nome*

Seu e-mail*

Sua mensagem*

[recaptcha class:captcha]


Conecte-se com o Sintesu!

Rua Padre Salvador, 808 – Santa Cruz
Guarapuava – PR

Fone: (42) 3622-8418

Nota de Repúdio
15666
post-template-default,single,single-post,postid-15666,single-format-standard,bridge-core-1.0.6,ajax_fade,page_not_loaded,,side_menu_slide_from_right,qode-theme-ver-18.2,qode-theme-bridge,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Nota de Repúdio

Nota de Repúdio

O Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Superior da Unicentro, Sintesu, vem a público para repudiar o arquivamento, pela Polícia Militar do Paraná, por meio da Justiça Militar, do inquérito policial que investigava a existência de possíveis excessos de policiais quando da manifestação de servidores públicos em greve, próximo à Assembleia Legislativa do Paraná, no dia 29 de abril de 2015.

Próximo de completar um ano, a data se mantém vívida na memória dos participantes, onde mais de 200 pessoas tiveram ferimentos causados por ataques de policiais com bombas de gás lacrimogêneo, jatos de água e balas de borracha.

Ressaltamos ainda o fato de que os policiais também foram vítimas da situação, pois são servidores públicos e receberam ordens muito claras para proibir duramente o acesso dos manifestantes à Casa de Leis, conhecida, ironicamente, como Casa do Povo.

Nosso repúdio se deve ao documento divulgado na mídia e que considera que não houve qualquer excesso, apenas o cumprimento de ordem judicial. De acordo com o documento, o “confronto” começou porque os manifestantes ultrapassaram a barreira imposta e, assim, deram início ao “embate”. Vale lembrar que, apesar dos funcionários e professores não portarem armas, foram atacados veementemente por lutarem por seus direitos.

No documento, é alegado um despropósito achar que os policiais militares do batalhão de choque não iriam ferir ninguém em um evento daquela proporção, com mais de 30 mil manifestantes. Pois, o Sintesu acredita ser um despropósito considerar servidores públicos invasores de um órgão público, que é composto por deputados eleitos para representarem a vontade do povo.

É fundamental que haja memória e reconhecimento de excessos para que cenas como as que vimos em 29 de abril de 2015 não se repitam. Em virtude disso, reforçamos a nossa posição sobre o tema e esperamos que as atitudes descomedidas sejam avaliadas e repensadas, com vistas a fortalecer a nossa democracia e para que o povo possa se manifestar quando da perda de seus direitos e/ou de suas conquistas.

 

Guarapuava e Irati, em 24 de março de 2016.

 

Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Superior da Unicentro

Gestão 2015-2019

No Comments

Post A Comment